quarta-feira, 24 de maio de 2017

Para a agenda: Ruy Ventura escreve sobre Sebastião da Gama



O mais recente estudo sobre a obra poética de Sebastião da Gama, da autoria de Ruy Ventura, vai ser apresentado na noite de sexta-feira, em Azeitão, na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, iniciativa que, com o concerto do grupo e-Vox, encerrará a "Jornada Internacional Sebastião da Gama - Pelo Sonho é que Vamos".
A Chave de Sebastião da Gama, com todo o segredo e simbologia que podem dominar o objecto que a chave é, constitui bem uma porta de entrada no rico mundo da poesia do autor de Serra-Mãe. Uma obra de Ruy Ventura indispensável para quem goste do poeta de Azeitão, para quem aprecie um ensaio sério e com leituras novas e pertinentes.
Para a agenda!

Para a agenda - Festa da Flor anima Setúbal



A segunda edição da Festa da Flor vai acontecer em Setúbal com programa diversificado já no fim de semana de 26 e 27 de Maio. Para a agenda!

Para a agenda: e-Vox canta Sebastião da Gama em Azeitão



O grupo musical e-Vox apresenta na sexta-feira, 26 de Maio, na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, em Azeitão, o concerto "Cantigas de Amor - Tributo a Sebastião da Gama", iniciativa integrada na "Jornada Internacional Sebastião da Gama - Pelo Sonho é que Vamos".
Recorde-se que, em 2012, através da Associação Cultural Sebastião da Gama, este grupo editou o cd "Pelo Sonho é que Vamos", actividade que deu origem a dois concertos, um em Setúbal e outro em Azeitão.
A entrada para o concerto de Azeitão é livre. Para a agenda!

Para a agenda - Afonso Cautela, a poesia reunida



O primeiro volume da poesia reunida de Afonso Cautela (nome geralmente ligado ao jornalismo, ainda que tenha já publicado poesia), sob o título Lama e Alvorada, vai ser apresentada na sexta-feira, 26 de Maio, em Lisboa, na Sociedade Histórica da Independência de Portugal. António Cândido Franco, alberto Franco e José Carlos Costa Marques serão os responsáveis pela apresentação. Para a agenda!

Sebastião da Gama em Jornada Internacional na sexta-feira - Inscrições prestes a fechar





É já na sexta-feira, 26, que em Setúbal decorrerá a "Jornada Internacional Sebastião da Gama - Pelo sonho é que Vamos", actividade realizada  pela Associação Cultural Sebastião da Gama e pelo CLEPUL - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em parceria com Centro de Formação de Professores Ordem de Santiago, Câmara Municipal de Setúbal, Junta de Freguesia de Azeitão e Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense.
Aqui se divulga o programa, que acontecerá nas instalações do antigo Quartel do 11 durante o dia e na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense à noite.
A participação nas conferências a decorrerem durante o dia é sujeita a inscrição e confirmação (através do email acsgama@sapo.pt), a participação na sessão da noite em Azeitão é livre.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Como Ruy Ventura nos leva a ler Sebastião da Gama...



Ruy Ventura escreveu A Chave de Sebastião da Gama, um conjunto de textos que já tive a oportunidade de ler (graças a uma prova de amizade do autor) e que será publicado em co-edição pela Editora Licorne e pela Associação Cultural Sebastião da Gama, com apresentação pública anunciada para 26 de Maio, à noite, em Azeitão, na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, a encerrar a "Jornada Internacional Sebastião da Gama - Pelo Sonho é que Vamos". 
A capa do livro muito fica a dever a uma fotografia captada por Nuno Matos Duarte nos meandros da Arrábida. Uma capa de que gosto muito, diga-se.
Sobre o livro, Ruy Ventura deu-me a oportunidade de escrever, outra prova de amizade. E, não revelando aqui tudo o que registei, deixo, no entanto, um excerto que pode servir como pretexto para convite para a apresentação em Azeitão: "Lemos este conjunto de textos e sentimos a alegria de redescobrir Sebastião da Gama, numa mais consolidada visão sobre a força arrabidina, numa respeitadíssima tradição literária e cultural, numa autêntica fundamentação dos princípios que ajudam ao desvendar dos códigos que povoam a sua poesia, numa aproximação da palavra a um projecto de vida e de fé, que acabou por ser a marca que de Sebastião da Gama se impôs."
O leitor de Sebastião da Gama vai gostar de o ver através de Ruy Ventura, ele próprio também poeta. Vale a pena!
  

Para a agenda: Festival de Música de Setúbal



A música em festa em Setúbal. É mais uma edição do Festival de Música de Setúbal, a 7ª, a ter lugar entre 25 e 28 de Maio. O programa, vasto e diversificado, dando a primazia à música, inclui a presença de Pilar del Río, que partilhará opinião sobre a obra Jangada de Pedra. Mais pormenores do previsto podem ser lidos aqui. Para a agenda!

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Para a agenda: Setúbal vai ter o 2º Encontro de Poesia Erótica



O 2º Encontro Maior de Poesia Erótica (EMPE) vai acontecer em Setúbal, no bar “Feel Setúbal” (Av. Luísa Todi, ao lado do restaurante “Leo do Petisco”), com um programa intitulado “Panorâmica da Poesia Erótica Portuguesa e Brasileira”, abrangendo textos do período entre o século XIII e a actualidade.
O Encontro desenvolve-se em três dias - 20 e 27 de Maio e 3 de Junho - de acordo com o programa que segue:


1º dia, sábado 20 de maio de 2017, 17h30 - 19h30
- Apresentação do projeto
- Apresentação do livro com os poemas do 1º EMPE
- Poesia erótica portuguesa até Bocage
(Com a participação do ator José Nobre, dizendo poemas de Bocage, no papel do poeta)

2º dia, sábado 27 de maio de 2017, 17h30 - 19h30
- Mostra de capas de livros de poesia erótica
- Poesia erótica portuguesa posterior a Bocage

3º dia, sábado 3 de junho de 2017
1ª parte: 17h30 - 19h30
- Poesia erótica brasileira
2ª parte: 22h00 - 24h00
- Convívio com leitura livre de poemas eróticos 
- Encerramento do evento


terça-feira, 16 de maio de 2017

Jornada Internacional Sebastião da Gama - Livro de Ruy Ventura já tem capa



O livro A Chave de Sebastião da Gama, do poeta e investigador Ruy Ventura que vai ser apresentado na noite de 26 de Maio, na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, em acção integrada na Jornada Internacional Sebastião da Gama, já tem capa, que aqui se divulga.
Quanto ao conteúdo, será uma descoberta para os leitores. Obviamente, se se explorar a simbologia da palavra "chave" lá se chegará. Será um livro imprescindível para a leitura de Sebastião da Gama, um género de arqueologia da sua poesia.
A edição é Editora Licorne e da Associação Cultural Sebastião da Gama e tem o apoio da Câmara Municipal de Setúbal e da Junta de Freguesia de Azeitão.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Para a agenda: A democracia no distrito de Setúbal e Arlindo Mota



Arlindo Mota é poeta, romancista e estudioso de assuntos vários, com vasta obra já publicada. O próximo título sairá em 19 de Maio, com apresentação na Casa da Cultura, em Setúbal, pelas 18h00. Motivo é a história da democracia na região sadina sob o título Margem Sul - A Emergência da Democracia de Abril no Distrito de Setúbal, em edição da Associação de Municípios da Região de Setúbal. Para a agenda!

Para a agenda: António dos Santos e as histórias do Orfanato



António dos Santos (n. 1941) é conhecido setubalense que muito tem divulgado a história da instituição a que esteve ligado (Orfanato Municipal de Setúbal). A sua vida, ligada às artes gráficas, entrou também pelo universo do livro naquilo que ele tem de mais essencial - escrevê-lo. E, desde 2004, foram já quatro os títulos com que António dos Santos nos brindou: O Achamento de meu Pai... e Outras Histórias Vividas no Orfanato Municipal de Setúbal (2004), A Cidade dos Rapazes Pobres - Setúbal - Anos de 1950 - Histórias Vividas no Orfanato Municipal de Setúbal (2006), Para lá dos Portões do Asilo - Setúbal 1958 - Histórias, Sonhos e Liberdade (2009) e Romagem de Saudade dos Rapazes do Orfanato pelo 18 de Maio (2011). Agora, mais um título surge sob a responsabilidade de António dos Santos: O Fantasma do Convento da Soledade, a ser apresentado em 21 de Maio, pelas 17h00, na Casa da Baía, em Setúbal. Para a agenda!

domingo, 14 de maio de 2017

Sobre a vinda do Papa Francisco a Portugal



O Papa Francisco esteve cá igual a si próprio. Como peregrino, como chefe de uma Igreja com crises e que ele quer tornar mais afirmativa e mais autêntica, como inspirador de um optimismo que todos podemos construir, como desafio para a fé e para o papel de cada um como cidadão, como cristão e como católico.
Tenho uma enorme e profunda admiração pelo Papa Francisco por muitas razões. Por ser diferente, por ser autêntico, por ser um desafio contínuo, por nos levar a pensar com uma linguagem que nos é próxima, pelo seu passado, por ser jesuíta e pelo nome que adoptou - poderia ser o de Francisco Xavier, patrono da Companhia de Jesus (ordem religiosa de que é proveniente), mas foi o de Francisco de Assis, patrono dos Franciscanos e exemplo maior da ecologia humana.
Nesta vinda do Papa Francisco a Portugal, senti a tristeza por muitos amigos meus das redes sociais o tratarem como trataram. Lamento que a tolerância seja apenas um verbo de encher para quando estão de acordo connosco. O respeito pela fé e pelas crenças do outro deveria ser uma máxima, uma orientação de vida. E não é. Vi cenas caricatas e pungentes, recortes de um humor “baixo” e perguntas de jornalistas absolutamente ridículas, como se estivessem a transmitir a reportagem de um qualquer circo, como se a vida fosse ela mesma um espectáculo. Tudo isto nos deve ficar na fronteira do “para lá”, se é que queremos dar testemunho, se é que acreditamos que a fé nos marca e define, se é que queremos que a coerência seja a nossa marca. Mesmo porque o que se pôde ver foi a vivência da fé.
Quando, na sexta-feira, vi a primeira página do jornal “O Setubalense” com a imagem do Papa, logo pensei que os jornalistas teriam aproveitado um acontecimento nacional para o interpretar ao nível regional e local. Não; a questão era a da tolerância dada pelo Governo e não era a simbologia, a crença, a fé, a opinião e o desafio sentido por setubalenses com a vinda do Papa ao nosso país. Uma questão absolutamente lateral, ainda que podendo ser discutida. Uma oportunidade de reflexão e de testemunho (de que bem precisa a nossa sociedade) desperdiçada!
Ainda hoje li no “Público” o depoimento de um autor insuspeito - José Pacheco Pereira. E vale a pena seguirmos as suas palavras: “O Papa fez bem o seu papel de ‘bom Pastor’. Apelou aos cristãos para não deixarem sozinhos os deserdados da história, os que vivem na periferia do mundo, os pobres, os deficientes, os presos, os perseguidos. Isto é uma das coisas que este Papa faz melhor porque é genuíno nesse apelo e coloca a Igreja no lugar certodo seu papel no mundo. Ele não acha, como alguns dos seus fiéis, que a pobreza seja um ‘efeito colateral’, justificado por um hipotético e salvífico modelode desenvolvimento, que ele, certamente, entende ser cruel. Na mesma altura em que ele estavaa falar em Fátima, um Presidente americano, discursando num colégio evangélico, apelouaos jovens recém-formadospara lutarem pelo sucessoe perguntou-lhes quantos quereriam ser Presidentes como ele, para levantarem a mão. Nãoé ocasional, são de facto dois mundos e entre ambos eu prefiro o do Papa Francisco.”
E, já agora, para que dúvidas não existam, leia-se a intervenção que Francisco fez em Fátima ontem, disponível aqui. O desafio é tão forte que, no regresso a Itália, em conversa com os jornalistas difundida pela imprensa, disse apelar aos sacerdotes “para não serem clericais”, pois essa atitude “é uma peste na Igreja”. Incomparavelmente mais corajoso do que aqueles que, a pretexto de não serem crentes, o ridicularizaram!
Mantenho a forma como comecei: o Papa Francisco esteve cá igual a si próprio. Com a honra da sua palavra, da sua convicção, mostrando que a fé é também o que o move. Obrigado, Papa Francisco!

Parabéns, Salvador Sobral! Parabéns, Luísa Sobral!



Parabéns, Salvador e Luísa Sobral! Obrigado!

Para a agenda - Dia Internacional dos Museus no MAEDS



A propósito do Dia Internacional dos Museus, o MAEDS (Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal) apresenta programação intensa, com destaque para a arte de Vieira da Silva. Para a agenda!

Para a agenda - Livro de Horas do Duque de Berry em Setúbal



Para o programa "Sextas - Arte e Ciência", o grupo Synapsis convidou José Custódio Vieira da Silva, historiador de arte, para falar sobre o "Livro Rico de Horas do Duque de Berry", obra do séc. XV, em 19 de Maio, pelas 21h30, na Biblioteca Pública Municipal de Setúbal. Para a agenda!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Para a agenda: Sobre o adobe e os "caramelos"



"Adobe de Setúbal" é o título de seminário que decorre em 20 de Maio, entre as 10h00 e as 13h30, no Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal. Três comunicações em que será abordada a identidade "caramela" e a construção em adobe na região setubalense, além da apresentação do livro O Adobe. Organização a cargo de Centro da Terra. Para a agenda!